Notícias

Reforma Trabalhista e seus impactos no Setor Imobiliário

(13/11/2017)

(Segs)

A Reforma Trabalhista, que entrará em vigor em breve, fatalmente irá afetar todos os segmentos produtivos do País. Para esclarecer quais são os impactos das mudanças na legislação para o setor imobiliário, o Instituto Justiça & Cidadania promove, nos dias 30 de novembro e 1o de dezembro, o seminário "A Reforma Trabalhista e impactos no setor imobiliário".

O Seminário é voltado ao público que se relaciona, direta e indiretamente, com um setor que hoje emprega aproximadamente 2,4 milhões de pessoas em todo o Brasil (dados de 2016 do Sinduscon-SP). O evento terá coordenação científica do ministro Alexandre Agra Belmonte, que fará a abertura do seminário ao lado do ministro Ives Gandra Martins Filho, presidente do TST - que apresentará a palestra magna - e da ministra Maria Cristina Irigoyen Peduzzi.

Também participam da cerimônia de abertura do evento Claudio Hermolin, presidente da Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi-RJ); José Carlos Martins, presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC); Luiz Antonio França, presidente da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc); Flavio Amary, presidente do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP); e Carlos Antonio Souza, presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil do Município do Rio de Janeiro (Sintraconst-Rio).

O Seminário também contará com palestras dos ministros do TST Aloysio Correa da Veiga, Douglas Alencar Rodrigues, Walmir Oliveira da Costa, Guilherme Augusto Caputo Bastos, Breno Medeiros e Claudio Mascarenhas Brandão, além de membros da advocacia especializados em Direito Imobiliário e representantes das entidades do setor.

O evento é gratuito e acontecerá no plenário Arnaldo Sussekind- Tribunal Superior do Trabalho - Setor de Administração - Federal Sul, Quadra8 - Brasilia. As inscrições podem ser feitas pelo site do TST: www.tst.jus.br

 

Charitas, em Niterói, vive nova investida do mercado imobiliário

(O Globo)

Investidores lançarão cerca de 200 imóveis de alto padrão nos próximos três anos

 

NITERÓI - O lançamento de apartamentos em Charitas, que passou por uma "calmaria imobiliária", deve voltar com tudo a partir do ano que vem. O bairro vive uma nova investida do setor de imóveis e teve, somente este ano, 12 construções licenciadas pela prefeitura. Segundo a Associação das Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi-Niterói), oito empreendimentos de alto padrão serão postos à venda nos próximos três anos, totalizando cerca de 200 novos imóveis.

O presidente da Ademi-Niterói, Bruno Serpa Pinto, diz que a abertura do Túnel Charitas-Cafubá foi um dos principais atrativos para a retomada de investimentos no bairro.

- Quando começamos a investir em Charitas, algumas ruas sequer eram asfaltadas, e as construtoras promoveram a pavimentação. Com as limitações de verticalização de São Francisco e o atrativo de mobilidade para o Rio devido à estação hidroviária, Charitas era um caminho natural do mercado. Com a abertura do túnel, que trouxe maior proximidade com as praias oceânicas, a inauguração da garagem subterrânea e a previsão de revitalização da orla, o bairro ficou ainda mais atrativo - avalia Serpa Pinto.

As mudanças na paisagem do bairro são notáveis, ruas antes bucólicas vivem a agitação do trabalhos dos operários. Num terreno da Rua Juiz Aberto Nader, há uma semana, máquinas trabalham intensamente. Na Rua Doutor Armando Lopes, também há vários terrenos prontos para iniciar as construções.

A aposentada Kinita Gold, porém, que foi atraída para o bairro há oito anos pelo ar interiorano, lamenta as mudanças trazidas pelas novas construções:

"Saí de Copacabana justamente para morar num local mais agradável, sem prédios, mas tudo mudou desde que vim para cá. Na minha rua (Juiz Aberto Nader), as últimas casas que ainda restam estão sendo demolidas - conta."

Leonardo Fonte, membro da União dos Síndicos de Charitas, vê com bons olhos a chegada dos novos empreendimentos:

"Temos apenas a preocupação de que todo esse crescimento natural venha junto com ordenamento público. A prefeitura precisa cobrar das concessionárias um incremento na estrutura do bairro para não termos transtornos"- ressalta.

A prefeitura não comentou as ações de infraestrutura previstas para o bairro. Em nota, diz que, como contrapartida ambiental "para as construções do local, foi determinada a doação de mudas para o Horto de Itaipu e a doação de placas para o Parque da Duna Grande, em Itaipu".